O LIDL limita a venda de óleo

Óleo VegetalDevem estar a pensar “O Eduardo passou-se” ao verem o LIDL e uma garrafa de óleo vegetal, mas já vão perceber porquê…

Estava eu a ler o fórum da Techzone e vi lá um tópico interessante onde um utilizador estava revoltado por terem aumentado o preço do óleo alimentar em quase 100% e por ter sido imposto um limite de 2 unidades por pessoa (6 litros) e a sua preocupação não era de todo alimentar mas sim a falta de combustível para a sua viatura.

Esta moda que sempre fui contra de usar bens alimentares (neste caso óleo vegetal) para combustível já começa a fazer estragos bem sérios! Já o tinha dito aqui no blog e noutros fóruns que visito, mas diziam sempre que eu estava a ser pessimista e que estes produtos como vinham da terra era inesgotáveis e não eram poluentes.

Já me tinha apercebido da fragilidade que era usar óleo vegetal directamente como combustível ao ver os aumentos no óleo alimentar, agora o mesmo se passa com o pão onde temos produtores a produzir cereais para combustível e a deixar o fim alimentar de lado. E se a nós que até temos computador e acesso à internet estes aumentos não nos afectam tanto, às pessoas com menos posses (principalmente os idosos com reformas baixas) comprar pão passou a ser possível apenas dia sim dia não.

Tudo bem, queremos combustível barato, mas vamos passar fome por causa disso? Vamos obrigar terceiros que nem carro têm (e se for preciso nunca viram um) a passar fome para que não nos falte combustível para ir passear ao fim de semana com os cabelos ao vento?

Já o disse várias vezes e aplaudo de pé quem faz uso do óleo alimentar usado para combustível, já foi usado para o fim que lhe foi destinado e pode ser assim reutilizado para combustível, sendo a sua poluição inferior ao ser queimado para produzir energia do que ao ser deitado pelo cano abaixo ou ir parar ao caixote do lixo dentro da garrafa.

Os biocombustíveis são um erro que já estamos a pagar bem caro, mas a palavra bio faz muita gente ficar cega ou com palas nos olhos.

Os meus parabéns ao LIDL por limitar a venda deste produto alimentar para que, apesar de mais caro, chegue para toda a gente e não seja usado indevidamente como combustível. É que sem o carro passo eu bem, já sem alimento é mais complicado…

Autocarro velhoPosto BP UltimateNova etiqueta de pneus

Comentários a “O LIDL limita a venda de óleo”

Daniel Marques comentou:
14/03/2008 01:28

Era obrigar essa gente a fritar a comida com gasolina ou gasóleo. Iam ver como era gostoso.

Fonseca comentou:
03/05/2008 03:29

O óleo, o trigo, o arroz aumentam. Quem é que disse que o biofuel era bom? Ninguém fez estudos? Querem comida ou gasóleo?

Eduardo Maio comentou:
03/05/2008 03:33

Caros, ainda temos outro problema. Andam a destruir áreas florestais onde as árvores fazem a captura e reciclagem do CO2 para plantação de cereais.

São muitos os problemas dos biocombustíveis, tantos que não percebo como podem dizer que esta é uma alternativa viável.

joaquim comentou:
23/10/2008 16:04

Caro Eduardo, fui consumidor de oleo vegetal assiduo para usar como combustivel, mais exactamente do intermarche, custava à cerca de 4 meses 73 centimos por litro cerca de menos de metade do gasoleo, se o sr se sente incomodado por pessoas como eu comprarem oleo vegetal é um problema seu, isto porque depois de eu o pagar até posso deita-lo fora imediatamente, caso não saiba o oleo vegetal (biodiesel já utilizado em autocarros) é muito menos poluente que o gasoleo e caso não entenda o porquê dos aumentos do oleo para mais do dobro é simplesmente uma jogada politica isto porque o estado vai cobrar ao povo por cada litro de combustivel 71% de imposto e no oleo apenas 20%, portanto revolte-se contra o estado e não contra alguém que apenas quer poupar dinheiro e poluir menos o meio ambiente. quanto a deitar arvores abaixo caso não conhecam portugal recomendo ir ao alentejo e vejam a quantidade de terra abandonada porque os portugueses não tem hipotese de competir com os produtos espanhois e isto tudo porquê? porque temos uns governantes de m… e porque a maioria dos portugueses vê tudo ao contrário.
cumprimentos.

Eduardo Maio comentou:
24/10/2008 17:53

Joaquim, é bom que tenha uma visão tão simplista das coisas, umas visão que não vai além do seu próprio umbigo.

Thiago comentou:
02/11/2008 13:42

Aqui no Brasil queimavam a cana de açucar produzindo muita poluição. Agora usam maquinaria própria para produção.

Joao comentou:
29/04/2012 11:08

Acho que todos têm razao, desde quem escreveu o topico a quem o comentou. Contudo a soluçao esta apenas no aumento da produçao dos oleos alimentares, usando terrenos que estao em pousio…tal como temos muito em portugal. A nossa economia precisa de crescer, talvez a agricultura seja a melhor muleta que temos para que possamos crescer e afirmarmo-nos como pais produtor de algo. Isso daria empregos, diminuia a nossa dependencia de outros paises e tornaria-nos mais amigos do ambiente…. Que tal aumentar a produçao de oleos vegetais e criar cotas do seu uso?
Fica a minha opiniao que espero que seja tao respeitada como qualquer outra.
Cumps

Eduardo comentou:
29/04/2012 14:13

Passados estes 4 anos aconteceu o que seria de esperar, o preço por litro do óleo alimentar já se encontra a um valor muito superior ao preço por litro do gasóleo.

Até a própria mistura obrigatória de biodiesel com o gasóleo veio encarecer o preço. Postos que vendiam biodiesel mais barato agora vendem-no ao mesmo preço ou mais caro que o gasóleo.

Neste momento o que resta para quem tem carros com motor diesel, se forem motores antigos, é aproveitar o óleo usado para fazer combustível, mas o processo também não sai barato porque é preciso dispensar algum tempo para processar o óleo usado e ainda se gasta algum dinheiro.

Adicionar um comentário

Quer adicionar uma imagem pessoal ao seu comentário? Registe-se gratuitamente em Gravatar

Adicionar comentário

Copyright © 2005 - 2017 Gosto mais de Carros do que Chocolates. Alguns direitos reservados.
gostomaisdecarrosdoquechocolates.com - As opiniões, críticas e pensamentos de um "petrolhead"
Ao navegar neste site está a concordar com os termos legais e de privacidade.