Filtro de partículas FAP ou DPF Diesel

Filtro de partículas DieselOs carros a gasóleo emitem partículas que estão associadas a doenças respiratórias, cardiovasculares e cancro do pulmão. Estas partículas cancerígenas são emitidas com a fuligem vinda da queima do diesel, o típico fumo preto dos carros a gasóleo.

Uma vez que são altamente nocivas para a saúde pública passou a ser definido um limite máximo de emissões de partículas de 0.005 g/km com a norma Euro V que entrou em vigor em Setembro de 2009.

A única forma de ter um valor baixo é adicionar um filtro de partículas à linha de escape. A PSA Peugeot Citroën foi o primeiro fabricante a colocar filtros de partículas nos seus carros de passageiros em 2000 e, até 2004, várias cidades proibiram a utilização de viaturas pesadas sem filtros de partículas (caso de Tóquio e Nova Iorque).

Se está a pensar em adquirir um carro a gasóleo com filtro de partículas aqui fica tudo o que precisa de saber sobre o filtro de partículas Diesel (FAP/DPF).

O que é o filtro de partículas

O filtro de partículas pode ser denominado de FAP (Filtre à particules) ou DPF (Diesel particulate filter). De forma a evitar a emissão de partículas dos carros a gasóleo este filtro “prende” as partículas e, através de regeneração, queima as partículas a uma temperatura elevada com recurso a metais preciosos transformando-as em CO2, água e cinza, semelhante ao que acontece com um catalisador comum.

Este filtro foi adoptado por vários fabricantes antes de ser obrigatório como a Peugeot, Citroën, Ford (Mazda / Jaguar) para reduzir as emissões de partículas e tornarem a compra dos seus carros a gasóleo mais apelativa graças a alguns incentivos estatais na redução de impostos em viaturas equipadas com FAP.

A renegeração

Erro de filtro de partículas num BMWQuando um filtro de partículas começa a ficar cheio (entre os 55 a 75% de capacidade) é iniciado um processo de regeneração onde é efectuada a queima das partículas no filtro, transformando-as em CO2 e água, deixando alguma cinza no filtro. As partículas queimam a 600º, no entanto com o uso de um aditivo é possível reduzir a temperatura para os 350º a 450º.

O processo de regeneração depende da utilização dada ao carro e pode ocorrer em vários intervalos de quilometragem. Por exemplo, no caso dos veículos PSA e Ford se a utilização for meramente citadina com tráfego elevado a regeneração é feita a cada 200km, se a utilização for sempre em auto-estrada a regeneração ocorre a cada 1500km. A regeneração é efectuada se circular acima dos 50km/h, e não se devem notar diferenças no funcionamento do carro durante este processo, embora alguns condutores verifiquem um trabalhar diferente ou mais vibração do motor durante a regeneração.

Pode acontecer durante o processo de regeneração sentir-se um odor a borracha ou óleo queimado, principalmente se pararmos o carro após a regeneração. Este odor é fruto das altas temperaturas no filtro de partículas.

Caso não seja possível efectuar a regeneração é mostrado um aviso (uma mensagem no ecrã ou uma luz no quadrante) indicando que o filtro de partículas poderá entupir e é necessário andar com o carro durante 5 a 10 minutos acima dos 50km/h para ser iniciada uma regeneração ou recorrer aos serviços da marca para forçarem uma regeneração ou “lavarem” o filtro. Isto depende de carro para carro e é aconselhável verificar o manual.

Se o filtro continuar sem regeneração este irá entupir e é possível que fique danificado e seja necessário proceder à troca do mesmo.

A manutenção

Dependendo do filtro de partículas este poderá ter manutenção ou não. Alguns possuem aditivos que precisam de ser reatestados, outros podem necessitar de ser limpos ou mesmo trocados após alguns quilómetros. Alguns fabricantes indicam uma vida útil estimada dos actuais filtros de partículas entre os 80.000km e os 180.000km dependendo do carro e da sua utilização.

Cuidados a ter com o FAP/DPF

Filtro da bomba de óleo bloqueado num MazdaUm motor a gasóleo é cada vez mais complexo para ter um nível de emissões baixo. A adição de turbos, injectores de alta pressão, válvulas EGR e os filtros de partículas aumentam a complexidade destes motores e a exigência nos cuidados a ter.

Uma das coisas mais importantes num carro com filtro de partículas é o óleo. O óleo deve ter um teor baixo de enxofre (low SAPS) para evitar a criação de fuligem que poderá passar para o filtro de partículas e acelerar o seu bloqueio, podendo até danificar o mesmo. Nalguns casos onde é injectado mais gasóleo para aumentar a temperatura (sistemas sem aditivo) o óleo pode até ficar contaminado com gasóleo, levando-o a perder as suas capacidades podendo danificar vários componentes do motor ou até bloquear filtros de óleo, conforme ilustrado na imagem.

A Total efectuou alguns testes sobre a importância do óleo nas válvulas EGR, mostrando a diferença na acumulação de fuligem e nafta, sendo inferior nas viaturas testadas com óleo low SAPS.

O combustível usado também é muito importante. Deve ter um baixo teor de enxofre e é aconselhável que seja combustível aditivado para melhorar o processo de combustão e evitar a criação de fuligem.

Mas se calhar o ponto mais importante é o tipo de utilização dado ao carro. Se os percursos são maioritariamente citadinos e o carro tem FAP é obrigatório fazer umas tiradas em auto-estrada de vez em quando para limpar a FAP ou então forçar uma regeneração na oficina. Os motores diesel modernos não estão preparados para utilizações intensivas de pára-arranca ou serviço de táxi.

No caso dos carros com FAP e aditivo (Eolys ou semelhante) é aconselhável gastar o gasóleo e voltar a atestar para reduzir o consumo deste aditivo. O aditivo é adicionado sempre que se coloca combustível e colocar várias vezes pouca quantidade de combustível poderá usar aditivo em excesso.

Devo escolher um carro com filtro de partículas?

É necessário fazer contas, dependendo da utilização o filtro de partículas poderá ser uma dor de cabeça e fonte de despesas. A substituição de um filtro de partículas poderá ultrapassar facilmente os 1000 Euro.

Para carros de utilização citadina o ideal é optar por um carro a gasolina, os actuais motores de injecção directa permitem consumos reduzidos com um nível de performance interessante.

Se a utilização for normal, com percursos regulares em estrada aberta em que o motor funcione à temperatura ideal então o filtro de partículas não irá fazer grande diferença e poderá durar a vida útil do carro. É preciso ter atenção no entanto nos carros com aditivo o reatesto é caro e precisa de ser feito por uma concessão oficial ou por uma oficina especializada.

Anúncio Nissan QashqaiPistolas de combustível num posto de abastecimentoPosto BP

Comentários a “Filtro de partículas FAP ou DPF Diesel”

Não existem comentários a este artigo.
Inicie a discussão, envie o seu comentário

Adicionar um comentário

Quer adicionar uma imagem pessoal ao seu comentário? Registe-se gratuitamente em Gravatar

Adicionar comentário

Copyright © 2005 - 2016 Gosto mais de Carros do que Chocolates. Alguns direitos reservados.
gostomaisdecarrosdoquechocolates.com - As opiniões, críticas e pensamentos de um "petrolhead"
Ao navegar neste site está a concordar com os termos legais e de privacidade.