Os carros estão a transformar-se em tablets?

Interior do Tesla SAlguns carros que andam a sair mais parecem tablets com rodas. Onde andam os estudos de usabilidade sobre este tipo de sistemas?

Um exemplo flagrante é o Tesla S onde tudo é controlado por um touch-screen. Se até percebo a utilidade de um touch-screen para ser utilizado na navegação porque é mais fácil para colocar uma morada, já ter controlos do ar condicionado, desembaciador dianteiro e traseiro e até volume de rádio num ecrã plano não me agrada. Felizmente para os 4 piscas ainda existe um botão.

Eu gosto muito do Android, mas como sistema de controlo do meu carro através de um ecrã plano não.

Passamos do 8 ao 80, se dantes tínhamos consolas com muitos botões como era o caso dos Saab (e até no meu C6) agora temos a ausência de botões. A verdade é que com um simples toque consigo fazer várias operações no meu carro sem tirar os olhos da estrada, e isto torna-se impossível com estes novos sistemas que funcionam à base de toques no ecrã. Os botões têm formatos e saliências diferentes para que, através do tacto, seja possível activar uma função na viatura sem tirar os olhos da estrada.

Eu até percebo esta ideia mais minimalista e nalguns carros até fica engraçado (como o 208), mas no Tesla S a própria consola fica feia com um ecrã tão grande e desproporcional.

E se não concordam e até gostam de ter tudo controlado por touch-screen, experimentem escrever uma SMS num telemóvel com teclado e num touch-screen, mas façam-no sem olhar para o ecrã.

É aqui que certos sistemas como o iDrive vencem e, embora confusos, permitem ter um feedback táctil e podemos carregar no botão do iDrive, rodar o botão algumas vezes para saber que escolhemos a opção certa. Não é necessário ficar a olhar para o ecrã e inclinarmos-nos para termos a certeza que tocamos com o dedo na opção certa. O feedback táctil é bastante importante.

Ou será que esta nova filosofia serve para cativar os mais jovens? Segundo alguns estudos os jovens estão a perder interesse pelos automóveis e a investir mais em telemóveis e tablets. A ideia de tirar a carta aos 18 anos está a desaparecer uma vez que em casa conseguem comunicar com toda a gente e preferem usar os transportes públicos para sair apenas até ao centro da cidade.

Eu espero sinceramente que esta seja uma moda passageira e que os carros voltem a ser carros. Faz sentido sim ter tecnologia no nosso automóvel e conseguir comunicar com o nosso carro a partir de casa ou do telemóvel para ver se o mesmo está trancado, carregar favoritos no GPS ou mudar a nossa biblioteca de MP3 a partir de casa, mas remover botões com funções importantes colocando apenas um ecrã táctil não.

Schumacher e AlonsoSprint TotalManuel Pinho

Comentários a “Os carros estão a transformar-se em tablets?”

Não existem comentários a este artigo.
Inicie a discussão, envie o seu comentário

Adicionar um comentário

Quer adicionar uma imagem pessoal ao seu comentário? Registe-se gratuitamente em Gravatar

Adicionar comentário

Copyright © 2005 - 2016 Gosto mais de Carros do que Chocolates. Alguns direitos reservados.
gostomaisdecarrosdoquechocolates.com - As opiniões, críticas e pensamentos de um "petrolhead"
Ao navegar neste site está a concordar com os termos legais e de privacidade.