Ferrari começa com vitória em Melbourne

Parece que afinal as alterações nas regras para 2017 surtiram algum do efeito desejado. Os pneus mais largos, a asa dianteira também mais larga e a asa traseira mais baixa veio ajudar a que os carros consigam andar mais perto uns dos outros e isto animou bastante as corridas.

Vêm-se mais ultrapassagens e os carros andam mais perto uns dos outros, no ano passado seria impossível ver um carro fazer várias voltas a menos de 1 segundo do carro da frente.

E a época começou da melhor forma, com uma vitória da Ferrari e um óptimo desempenho do Bottas, que me pareceu não ter continuado a lutar pelo 2º lugar por questões internas de equipa, porque estava com andamento para chegar a essa posição.

Vettel na classificação do GP de Austrália de 2017

Espero que esta temporada se mantenha assim com uma Ferrari mais competitiva, mas parece-me que outras equipas continuam com grandes problemas de fiabilidade como a Haas, Renault e McLaren. A Red Bull decepcionou, parece não ter o andamento que se estava à espera.

Se continuar assim esta temporada vai ser bastante competitiva.

As 5 operações de manutenção mais esquecidas num automóvel

Quando compramos um carro sabemos que existe manutenção associada ao mesmo, mas para muitos proprietários de um automóvel a manutenção fica-se por mudar o óleo do motor e colocar combustível.

Manutenção automóvel

Algumas operações necessárias para manter um carro em condições plenas de funcionamento são muitas vezes esquecidas por desconhecimento ou por não se entender a importância do bom estado destes componentes.

Correia de distribuição

Correia de distribuiçãoDe uma forma muito simplista a correia de distribuição sincroniza vários componentes do motor (cambota, válvulas) para que o motor funcione no ponto. Existem carros com corrente em vez de correia, mas nos carros com correia existem limites de quilómetros e anos para a mudança da correia.

Se não se mudar uma correia e esta partir normalmente é necessário reconstruir o motor uma vez que os cilindros acabam por bater nas válvulas e vão danificar a cabeça do motor.

Os intervalos são vários, podem ser de 100.000km a 200.000km e durar entre 6 a 10 anos, ou mais.

Deve sempre consultar o manual e não descurar esta operação, mesmo que o seu carro tenha poucos quilómetros mas já tenha atingido a idade limite.

Óleo de travões

Mudança do óleo de travõesO óleo não está só no motor, também é usado para os travões e direcção assistida na maioria dos casos. O óleo dos travões nas normas DOT 3, 4, e 5.1 é higroscópico, isto quer dizer que absorve água presente na atmosfera.

Embora este óleo tenha inibidores de corrosão por causa da quantidade de água que este pode absorver, com o tempo estes deixam de fazer efeito podendo existir corrosão no sistema de travagem.

A maioria dos fabricantes recomenda a troca a cada 1 a 2 anos em condições normais de condução. Deve consultar o manual e rever o intervalo definido pela marca.

Liquido de refrigeração

Liquido de refrigeraçãoO que está no radiador não é água. De uma forma simplista é água desmineralizada e etilenoglicol misturados com aditivos adicionais para reduzir a corrosão e lubrificar a bomba de água.

Este liquido, dependendo da percentagem de etilenoglicol e outros aditivos pode reduzir o ponto de congelamento até -40º e de evaporação até 140º. Isto permite que possa usar a viatura em ambientes extremos sem que este liquido congele, assim como permitir que o motor aqueça sem que existam perdas de água por evaporação.

Tal como o óleo dos travões com o tempo este liquido vai perdendo propriedades e deve ser trocado regularmente. A maioria dos fabricantes recomenda a cada 2 anos, mas deve sempre consultar o manual da viatura.

E se o nível do liquido de refrigeração estiver abaixo do nível nunca use água da torneira nem misture outros líquidos que não sejam iguais ao que já está aplicado. A aposta segura é sempre água desmineralizada, mas tenha em atenção que vai diluir a mistura actualmente no motor e reduzir a performance do líquido.

Velas

Velas de um motor a gasolinaA não ser que tenha um carro eléctrico, os motores a gasolina e gasóleo usam velas. No caso dos motores a gasolina para fazer faisca e incendiar a mistura de ar/combustível, nos motores a gasóleo para ajudar no arranque a frio.

No caso dos carros a gasolina as velas devem ser trocadas regularmente, nalguns casos a cada 30 ou 60 mil quilómetros e em casos mais extremos (velas de Iridium por exemplo) a cada 100.000km.

Ao não trocar as velas pode notar falta de potência e consumos mais elevados. Tal como nas restantes operações deve consultar o manual do carro e seguir a recomendação do fabricante.

Filtro de Ar e Habitáculo

Filtro de habitáculoJá viu um filtro de ar após 6 meses a circular em cidade? E o do habitáculo?

Com o tempo os filtros de ar ficam saturados com poeiras e poluentes que se encontram na nossa atmosfera, reduzindo a performance do motor e aumentado consumos.

No caso do filtro do habitáculo é o ar que respiramos directamente quando estamos dentro do carro. Um filtro colmatado com poluentes vai reduzir a performance do seu ar condicionado e com humidades elevadas levar a que o interior da viatura embacie mais facilmente por não ter ar fresco presente.

No caso do filtro de ar do motor os fabricantes recomendam uma troca a cada 1 a 2 anos, já o filtro de habitáculo deve ser trocado anualmente, a não ser que seja um carro de garagem que raramente anda.

Terminou a primeira temporada do The Grand Tour

Foi na passada sexta-feira que ficou disponível o último episódio desta primeira temporada do The Grand Tour que contou com 13 episódios.

O balanço é muito positivo, nota-se que existe mais liberdade editorial o que permite algumas piadas mais arriscadas pelo trio sem medo que a BBC e a equipa do politicamente correcto se levantem em armas para os abater.

O último episódio teve um ponto interessante, um arranque entre um Veyron e um 918 Spyder para mostrar que o Veyron já não é o supra-sumo da performance, até que apareceu um Nissan Patrol bastante alterado.

Arranque entre Veyron e 918 Spyder

Apenas não fiquei convencido com a nova pista de testes, detesto o americano (o substituto do Stig) e o segmento Celebrity Brain Crash apenas teve piada a primeira vez.

A segunda temporada do The Grand Tour deve ficar disponível lá para o final do ano, possivelmente Novembro tal como esta.

Nico Rosberg é campeão

Terminou a corrida em Abu Dhabi e Rosberg sagrou-se campeão. Foi ele, Schumacher e Brawn que começaram o que é hoje uma equipa Mercedes vencedora.

Repete assim o feito do seu pai, Keke Rosberg, que também ganhou o título.

Rosberg campeão

Infelizmente o Hamilton não fez uma corrida limpa, começou a reduzir ao máximo a velocidade a que seguia para tentar atrasar ao máximo Rosberg para que ele fosse passado pelo Vettel e Verstappen e colocou a vitória da Mercedes em risco.

Podem dizer o que quiserem, mas quando existem pedidos da equipa para deixar passar o Hamilton o Rosberg obedece, é uma equipa. O Hamilton infelizmente não olha a meios para ganhar, e segundo ele, ele perdeu o título por causa da falta de fiabilidade do seu carro. Curiosamente nos anos anteriores em que Rosberg teve mais problemas não se lembrou disso.

Mesmo Jackie Stewart disse que no tempo dele e mais antigamente ninguém corria para atrasar os outros, mas corria para ganhar corridas.

Fico contente por ter sido o Rosberg campeão, penso que é um piloto que se identifica mais com o espírito da Mercedes.

O Top Gear só mudou de nome

Ficou disponível hoje o primeiro episódio do The Grand Tour no Amazon Prime. O trio voltou e trouxe para o primeiro episódio um outro trio de peso!

Parecia que estava a ver o Top Gear, o mesmo formato com pequenas diferenças mas tudo o resto continua igual, um bom programa de entretenimento com carros à mistura.

A abertura foi uma espécie de gozo da saída do Jeremy do Top Gear e apresentaram-se com a quantidade de vezes que já tinham sido despedidos de outros empregos. Incluiu cerca de 150 carros, 2000 pessoas, jactos, músicos e custou aproximadamente 2.8 milhões de euros.

O primeiro episódio mostrou o comparativo entre o LaFerrari, 918 e P1 que teve lugar no Autódromo Internacional do Algarve e nas estradas da serra de Monchique. Isto certamente não é novidade, porque já andavam a circular várias fotos pelas redes sociais.

The Grand Tour em Portugal

E, spoiler alert, o Jeremy não se vai chamar Jennifer, mas vai ficar sem casa.

Foi um episódio porreiro, deu para umas gargalhadas e ver carros interessantes. A nova pista também parece ser interessante, mas o Stig faz falta. Se no Top Gear tínhamos o Stig a testar os 3 carros de igual para igual, aqui tivemos o Jérôme d’Ambrosio. Sim, iria ser na mesma o Jérôme d’Ambrosio a testar os carros mas vestido de Stig e isso iria tirar o piloto da equação.

Um ponto positivo é que deixamos de ter o segmento “Star in a reasonably-priced Car”, embora tenham feito uma espécie de brincadeira a gozar com esse formato.

Esta primeira temporada vai ter 12 episódios com uma duração de 1 hora cada, melhor que os 6 a 8 episódios por temporada do Top Gear.

O mítico Ferrari F40

O Ferrari F40 é um ícone do mundo automóvel. Foi o último Ferrari produzido a ser aprovado pessoalmente por Enzo Ferrari e na altura em que esteve à venda era o Ferrari mais rápido, mais potente e mais caro disponível.

Foi criado para celebrar os 40 anos da Ferrari e tinha um motor V8 biturbo com “apenas” 2936cc e 478cv para um peso de 1369 kg.

Eu tive a felicidade de ver dois F40 seguidos em Lisboa, a meio da noite, e é realmente um carro bastante especial.

O Jay Leno experimentou um F40 e fala um pouco sobre a história. De notar que o Jay Leno não é fã da Ferrari. Este F40 pertence a David Lee que tem na sua colecção além deste F40, um F50, Enzo, LaFerrari e um 288 GTO.

O Jeremy Clarkson disse que o F40 era o Ferrari que nos dava esperança. Por ter algum lag podíamos arrancar ao lado de um e dizer às nossas esposas “Olha amor, estamos a acompanhar um Ferrari”, até que elas olham para o lado e dizem “Qual Ferrari?”

Já em 2013 o Chris Harris teve a felicidade de experimentar em pista um F40 e um F50 e comparar ambos os carros.

São dois vídeos bastante interessantes, não só para quem gosta da Ferrari e de desportivos, mas para quem gosta de automóveis.

A produção do Phantom vai terminar

Um carro que gosto bastante, o Rolls Royce Phantom, vai deixar de ser produzido agora em Novembro. Foi o carro que salvou a Rolls Royce de desaparecer do mapa, já sobre a alçada da BMW e tornou-se num ícone automóvel.

Sempre que se fala em luxo sem olhar a custos é este o carro que vem à mente. Um motor potente, sem dramas, com muito conforto e silêncio. A palavra usada pelos ingleses é effortless e faz todo o sentido.

O jornalista Alex Goy fez um pequeno mas interessante apanhado da história deste modelo enquanto conduz um Phantom.

O exemplar em questão é que não foi bem escolhido, o exterior tem um aspecto duvidoso, mas não deixa de ser um carro imponente e que transpira qualidade.

Se gostam deste tipo de automóveis são 7 minutos bem passados.

Estima-se que em 2018 exista um novo modelo para substituir o Phantom.

Copyright © 2005 - 2017 Gosto mais de Carros do que Chocolates. Alguns direitos reservados.
gostomaisdecarrosdoquechocolates.com - As opiniões, críticas e pensamentos de um "petrolhead"
Ao navegar neste site está a concordar com os termos legais e de privacidade.